Arquivo de Maio, 2009

Janela Indiscreta

Posted in Comentarios on Maio 27, 2009 by locupletado

Alfred Hitchcock o mestre do suspense. Talvez você já deve ter ouvido essa frase ou esta descrição do cineasta ingles. E, como a maioria dos ditados populares a frase sobre Hitchcock fala a verdade – e nada menos do que a verdade.

Basta assistir um de seus filmes para ser “suspendido” com os olhos na tela. Um exemplo destes clássicos de Hitchcock é Janela Indiscreta. Longa que conta a história de um fotojornalista, acostumado a cobrir guerras mas encontra-se preso em seu apartamento por conta de uma perna quebrada.

O galã(na época)James Stewart faz o papel do cabra duro Jeff. A belíssima Grace Kelly é par com Jeff.  Uma namorada que faz de tudo para agradar o jornalista, mas na maior parte do tempo não é correspondida. Para os espectadores varões chega a dar nos nervos a quase indiferença do personagem.

Mas voltando ao que interessa. O filme não é um romance é um suspense. Jeff, o jornalista durão, para passar o tempo em seu apartamento espia os vizinhos, até com binóculos. Com o passar dos dias conhece intimamente seus “circunmoradores”. Os espectadores também vão conhecendo o bairro, que custou muito dinheiro à Paramount. A produtora montou um estúdio gigantesco para Hitchcock usar nas filmagens.

Acompanhando a rotina de seus vizinhos, dos mais variados tipos e carateres, vale ressaltar, Jeff percebe o sumiço da esposa do morador do prédio localizado de frente para janela de sua sala. Pouco depois vê seu marido um homem gordo, cabelo branco, oclus e olhar desconfiado enrolar um facão em papel de jornal.  O suspense começa. Ele matou sua esposa ou ela fez uma viagem para outra cidade? Com seu binoculos e também a lente de sua máquina Jeff vê ainda muita coisa. E assim como o “desconfiômetro” dele aumenta o do espectador também. Próximo do final cenas de tirar o fôlego tiram o fôlego literalmente. É incrivel como imagens de 1954, sem efeitos especiais, filmagem em HD, ou qualquer outra parafernalia conseguiam gerar tanta emoção.

Brasil e seus gêneros

Posted in Comentarios on Maio 12, 2009 by locupletado

“Uma análise atenta da organização econômica do país nos mostra que o essencial nela, desde a distribuição da população, a estrutura agrária, a disposição dos centros urbanos, a rede de transportes, até o aparelhamento comercial e financeiro, se dispõe sobretudo para atender aos objetivos que desde os remotos tempos de sua formação até nossos dias, a ela essencialmente se impôs: a produção de gêneros exportáveis. E isto sem contar poderosos fatores sociais e políticos que agem no mesmo sentido. Não podia ser de outra forma depois de quatro séculos e tanto de hegemonia de tal sistema econômico, que somente em época recente entrou em sua fase de desagregação”.

Esta citação resumi o livro de Caio Prado Junior “História Econômica do Brasil”. Lendo nos jornais esta semana a volta da empolgação com as comoditties e depois lendo este trecho do livro, achei muito interessante. Alias o livro é muito bom, uma coisa é saber que o Brasil era até pouco tempo atrás apenas um exportador de gêneros, outra coisa é saber quais foram esses gêneros(cana-de-açucar, ouro, pau-brasil, borracha, cacau, café…ect) e como ocorreu seu ápice e colapso.

O segredo do porco

Posted in Comentarios on Maio 4, 2009 by locupletado

Essa gripe suína é uma farsa. Há e-mails circulando sobre o esquema de empresas farmacêuticas que promoveram esse fuzuê para arranjarem uns trocados(não sei se verdadeiros). Oficialmente morreram não mais do que 30 pessoas, o resto é conversa de bar. Alguém pega um resfriado e há uma suspeita de gripe suína(agora o nome foi abolido pois prejudicou os que lucram com os porcos). Por isso as enormes cifras de “infectados” em vários países. Aqui no Paraná já tem fármacia sem mascarinha branca no estoque(pra piorar ainda mais a situação: é comprovado que as mascarinha não servem para segurar virus nenhum. Seria como querer armazenar ou se proteger da água com uma meia). Enfim, não sei qual a razão desta enorme atenção para a gripe suína, mas que tem coisa por trás tem.